SIDERÚRGICA SUECA VAI USAR HIDROGÊNIO COMO COMBUSTÍVEL

A siderúrgica SSAB planeja construir a primeira usina de aço sem combustível fóssil,
que vai ser alimentada por hidrogênio. Nesse empreendimento, a empresa tem
parceria com a companhia de energia Vattenfall e a mineradora Luossavaara
Kiirunavaara (LKAB), disseram nesta quinta-feira (1) as empresas suecas.
O empreendimento piloto terá como objetivo desenvolver tecnologia para
depois tornar a produção completa da SSAB livre de combustíveis fósseis, disse a portavoz
da SSAB, Viktoria Karsberg. A produção global da SSAB atingiu 8,8 milhões de
toneladas em 2017, disse ela.
A ideia por trás do projeto, chamado Hybrit, é usar hidrogênio, produzido a
partir de eletricidade gerada sem o uso de carvão ou hidrocarbonetos. As emissões
seriam água.
Se bem-sucedida, a tecnologia poderá eliminar seus gases de efeito estufa,
que representavam 10% das emissões de dióxido de carbono da Suécia e 7% da
Finlândia, disse Karsberg. A usina-piloto ficará em Lulea, na Suécia, e o minério vira da
mina subterrânea Kiruna.
“A produção de aço sem combustível fóssil, começa na mina, e estamos
trabalhando intensamente em como a próxima geração de plantas de pelotização será
projetada, bem como como uma futura mina eletrificada e altamente automatizada
deve ser projetada. Hybrit é um marco importante para a LKAB”, disse Jan Moström,
presidente e CEO da LKAB, em nota.
“Depois de construir a planta-piloto, iremos realizar testes entre 2020 e
2024 e então podemos escalar [aumentar de tamanho] até uma planta de
demonstração. Em 2035, devemos ter uma solução pronta para toda a produção”, disse
ela à Reuters.
A planta-piloto, para a qual uma expectativa de construção é esperada até
meados de 2018, custaria entre 1 bilhão e 2 bilhões de coroas suecas, ou seja, de US$
127 milhões a US$ 254 milhões, e sua produção de teste seria de uma a duas toneladas
de aço por hora. Já uma planta de demonstração teria uma capacidade de 500 mil
toneladas por ano, disse.
A SSAB, uma das maiores poluidoras da Suécia, tem como objetivo reduzir
suas emissões de dióxido de carbono na Suécia em 25% até 2025 e eliminar a maioria
das emissões de CO2 restantes em 2045, diz o comunicado. O país importa carvão
metalúrgico da Austrália e outros países.
A Agência Sueca de Energia vai financiar parte do projeto, que já passou por
um estudo preliminar de viabilidade. O projeto deve também contar com ajuda da União
Europeia, instituições de pesquisa e universidades, e exigirá melhorias na rede de
energia e licenciamento ambiental mais rápido.
Fonte: Notícias de Mineração
Data: 01/02/2018

Deixe um comentário

Visit Us On FacebookVisit Us On Instagram