MINÉRIO INICIA ANO EM ALTA E ACUMULA VALORIZAÇÃO DE 7,1%

Ainda sustentado pela contínua percepção de que a China vai necessitar de
mais minério de ferro para suas siderúrgicas em 2018 – e com a promessa de disciplina
de oferta se mantendo durante o ano -, a matéria-prima do aço engatou cinco dias
seguidos de alta dos preços no mercado à vista.
O minério chegou ontem ao maior valor desde 5 de setembro, depois de
subir 1,2% no dia, para US$ 77,74 a tonelada. A referência é o produto com
concentração média de 62% entregue no porto chinês de Qingdao, cuja cotação é
medida pela “Metal Bulletin”.
Os últimos movimentos positivos da commodity refletem o otimismo ainda
forte dos investidores sobre as matérias-primas. Não só o minério à vista, que depende
muito da demanda chinesa, como também os metais não ferrosos têm registrado
valorização desde o começo do ano.
Em relatório, o Itaú BBA diz que o cenário é favorável para as commodities
industriais, depois de um bom 2017 – com valorização ou quedas bem mais leves do que
desde o fim do superciclo. O minério se beneficia da racionalização da capacidade
produtiva siderúrgica na China e dos esforços do governo local para conter a poluição,
o que tem reforçado a preferência por um insumo de maior qualidade – como o da Vale,
diz o texto.
Durante o primeiro mês do ano até agora, a commodity acumula ganhos de
7,1%. Se confirmada a alta, seria o terceiro mês seguido de avanço para o insumo. A
cotação média do período atinge US$ 76,15, a maior em um ano e 6,6% acima de 2017.
Para o alemão Commerzbank, apesar de as siderúrgicas da China terem
diminuído a capacidade produtiva disponível desde 2016, a expectativa ainda é de
aumento na produção neste ano – o que significa maior consumo de minério. A
consultoria Capital Economics lembra que a busca dos chineses por matéria-prima de
maior qualidade provavelmente continuará impulsionando as importações.
Já o Itaú diz que o preço do aço deve se beneficiar dessa contenção na China,
mantendo as margens das siderúrgicas altas e, consequentemente, maior poder de
precificação. Para o minério, o efeito é relativamente neutro, mas as maiores
mineradoras já reforçaram a intenção de priorizar valor, e não volumes –
comprometendo-se a desacelerar o fornecimento ao resto do mundo, se necessário.
Fonte: Valor
Autor: Renato Rostás
Data: 09/01/2018

Deixe um comentário

Visit Us On FacebookVisit Us On Instagram